segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

iceberg

fiz esse mural (aqui, ainda inacabado)
com os colegas elcerdo e victor marcello
na garagem gamboa, semana passada.
não costumamos trabalhar em grandes formatos,
foi uma boa experiência para os três.

e adivinha só, em breve tem mais!







até aqui tudo bem

fiz essa música logo que me mudei para o rio, em pleno carnaval de 2009.
o registro original dela é a última faixa do zine sonoro "solidão & cia. vol 3", gravado num quarto de pensão em santa teresa, onde fiquei por duas semanas.



cheguei quando chovia pela última vez
no verão, no carnaval, na final do campeonato estadual
eu era mais um
vestindo as cores erradas
fantasiado de vocês

conheci a argentina
que achou hermoso mi trabajo de paranormal
mas ao cruzar com ela na segunda esquina
não a vi, pois conferia a loteria
a hora era aquela
mas aquela hora
eu não era quem eu sou agora

ninguém comemora o aniversário do coroa na pensão
enquanto isso as minhas malas
estão mofando no porão

pedi para ficar com a cozinha
me ofereceram a escadaria sem fogão
assim não vai dar não
já conheço a vizinhança 

como a palma da minha talentosa mão direita

acenando para o bonde que passa do ponto
arriscado de pegar andando

trilho a linha do trem
até o outro lado
pra dormir no sofá de alguém
da terceira vez a gente acerta
e então fica tudo bem
mas vai saber

a bola é redonda e o xadrez é uma caixinha de surpresa
mesmo sempre com a mesma escalação




sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

peixe morto, fresco e torto



NOTÍCIA RUIM


eu não quero sair no jornal
tal qual mais um
imóvel

classificado
e rotulado
desesperado
no meu quadrado

eu quero servir de embrulho
pros peixes dessa feira

bem enrolado
e apertado
refrigerado
e besuntado

quando você for na xepa
me leve embora
me jogue fora
mal vejo a hora
de virar notícia velha, meu irmão


quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

um desenho, para aliviar a tensão


torre come peão

O texto a seguir foi escrito há alguns meses. Achei melhor ficar de bico fechado enquanto a coisa se desenrolava na justiça. Mas, como justiça não houve, precisava tirar isso do peito. Cuidado com "editoras" que faturam publicando autores desconhecidos, meus caros. Eles só querem vender cerveja. Gostaria de compartilhar com vocês, também, algumas considerações edificantes do Sr. Renato Amado Barreto, apresentadas em sua contestação à minha ação: